É possível ouvir música com Implante Coclear?

Perceber e interpretar os sons são os principais objetivos de quem escolhe fazer a cirurgia do Implante Coclear. No entanto, grande parte dos futuros e recém-implantados quer ir mais longe, tem curiosidade em saber como é ouvir música com o auxílio do IC, ou como aprimorar esse contato com o mundo musical.

Para quem ainda não fez a cirurgia, a principal pergunta referente ao assunto é: “Eu vou conseguir ouvir músicas com o implante?”. A resposta é bastante ampla e depende de várias questões, como o tipo de surdez (pré ou pós-lingual), a força de vontade da pessoa, e o próprio organismo de cada um: “Ouvir e apreciar música varia muito entre os implantados. Embora a maioria relate dificuldades, há os que conseguem obter relativo sucesso. Usuários de IC que já tiveram uma experiência auditiva normal anterior mostram maior facilidade neste sentido, principalmente em relação a músicas que ele já conhecia antes de perder a audição, pois a memória auditiva facilita na interpretação do conteúdo, mas não isenta das dificuldades”, alerta Marcella Giusti, fonoaudióloga da ADAP.

De fato, quem está disposto a encarar este desafio deve estar preparado para enfrentar várias dificuldades, pois é natural que o usuário de implante coclear não tenha facilidade em interpretar e apreciar as músicas: “A melodia é um dos elementos fundamentais da música e, segundo alguns estudos, o processamento de melodias e sons musicais exige estruturas altamente especializadas, o que dificulta a codificação da música pelos implantes cocleares”, explica Marcella.

É por isso que, em um primeiro momento, a maioria dos implantados se decepciona com a percepção da música. Pelo menos esse foi o caso de Aline Cordeiro, que mesmo antes do implante já era apaixonada por músicas e tentava ouví-las com o AASI: “Logo no dia da ativação, já cheguei em casa, liguei o computador e coloquei minhas músicas. Mas foi uma decepção: só ouvi um som da música, uma espécie de 'pii' que se repetia”, lamenta ela.

No entanto, Aline não desistiu e continuou insistindo em ouvir músicas, até que sua percepção foi melhorando bastante com o tempo: “No segundo dia eu já conseguia ouvir outro som além do 'pii'. No terceiro já identificava o som do prato da bateria. Com o tempo, fui acompanhando com a letra da música e, a cada dia, a compreensão e a entonação da música ficava mais clara”, afirma Aline.

Dessa forma, o sistema auditivo pode ser treinado para melhorar a percepção da música. Segundo Marcella Giusti, “a percepção auditiva de melodia e harmônica pode ser desenvolvida pela prática musical, que é uma forma de treinamento auditivo”. Além disso, há a possibilidade de usar outros procedimentos para melhorar a percepção auditiva: “Existem recursos adaptativos para o aparelho, que visam facilitar a recepção dos sons e reduzir os ruídos de fundo, como os cabos de áudio e o Sistema FM”, completa a fonoaudióloga.

O implantado Rodrigo Nogueira Alves, de 11 anos, utiliza um desses cabos de áudio. Segundo sua mãe, Silvia Isabel Alves, este recurso melhorou muito a experiência de Rodrigo com a música: “Ele não tinha o hábito de ouvir muitas músicas, justamente pela dificuldade na percepção. Agora ele até dorme ouvindo música!”, conta Sílvia.

Portanto a experiência do usuário de implante coclear com a música é uma descoberta. Cabe a cada implantado decidir se quer ou não enfrentar os desafios para uma melhor experiência auditiva musical. Para aqueles que desejam apreciar a música, é importante saber que é preciso ser persistente e enfrentar várias barreiras. Porém, se o implantado insistir no treinamento auditivo, o sucesso deve ser melhor que o esperado.

Por Renan Fantinato