Critérios de indicação e contraindicação do Implante Coclear

1.CRITÉRIOS DE INDICAÇÃO


O uso de implante coclear está indicado para habilitação e reabilitação auditiva de pessoas que apresentem perda auditiva neurossensorial, de grau severo a profundo, quando preenchidos os critérios abaixo de acordo com a faixa etária e época de instalação da surdez.

1.1.Crianças com até 4 anos de idade incompletos, que apresentem perda auditiva neurossensorial, de grau severo e ou profundo BILATERAL, quando preenchidos os seguintes critérios:

a) Experiência com uso de aparelhos de amplificação sonora individual (por um período mínimo de três meses). Em casos de meningite e/ou surdez profunda de etiologia genética comprovada, não é obrigatória a experiência com AASI.
b) Idade mínima de 6 meses na perda auditiva profunda e idade mínima de 18 meses na perda auditiva severa.
c) Falta de acesso aos sons de fala em ambas as orelhas com AASI, ou seja, limiares em campo livre com AASI piores que 50dBNA nas frequências da fala (500Hz a 4KHz);
d) Adequação psicológica, motivação e expectativa adequada da família para o uso do implante coclear e para o processo de reabilitação fonoaudiológica;
1.2.Crianças a partir de 4 até 7 anos de idade incompletos, que apresentem perda auditiva neurossensorial, de grau severo e ou profundo BILATERAL, quando preenchidos os seguintes critérios:
a) Resultado igual ou menor que 50% de reconhecimento de sentenças em conjunto aberto com uso de AASI na orelha a ser implantada
b) Presença de indicadores favoráveis para o desenvolvimento de linguagem oral;
c) Adequação psicológica, motivação e expectativa adequada da família para o uso do implante coclear e para o processo de reabilitação fonoaudiológica;
1.3.Crianças a partir de 7 até 12 anos de idade incompletos, que apresentem perda auditiva neurossensorial, de grau severo e ou profundo BILATERAL, quando preenchidos todos os seguintes critérios:
a) Resultado igual ou menor que 50% de reconhecimento de sentenças em conjunto aberto na orelha a ser implantada, com percepção de fala diferente de zero em conjunto fechado;
b) Presença de código linguístico oral em desenvolvimento. Devem apresentar comportamento linguístico predominantemente oral. Podem apresentar atraso no desenvolvimento da linguagem oral considerando a sua idade cronológica, manifestado por simplificações fonológicas, alterações sintáticas (uso de frases simples compostas por três a quatro palavras), alterações semânticas (uso de vocabulário com significado em menor número e em menor complexidade, podendo ser restrito para as situações domiciliares, escolares e outras situações do seu cotidiano) e alterações no desenvolvimento pragmático, com habilidades de narrativa e argumentação ainda incipientes;
c) Adequação psicológica, motivação e expectativa adequada do paciente e da família para o uso do implante coclear e para o processo de reabilitação fonoaudiológica;
d) Uso de AASI contínuo e efetivo por pelo menos metade da sua idade.
1.4. Adolescentes a partir de 12 anos de idade, que apresentem perda auditiva neurossensorial pré-lingual de grau severo e/ou profundo BILATERAL, quando preenchidos os seguintes critérios:
a) Resultado igual ou menor que 50% de reconhecimento de sentenças em conjunto aberto com uso de AASI na orelha a ser implantada, com percepção de fala diferente de zero em conjunto fechado;
b) Presença de código linguístico oral estabelecido e adequadamente reabilitado pelo método oral;
c) Adequação psicológica, motivação e expectativa adequada do paciente e da família para o uso do implante coclear e para o processo de reabilitação fonoaudiológica;
d) Uso de AASI efetivo por pelo menos metade da sua idade.
1.5. Adolescentes a partir de 12 anos de idade, que apresentem perda auditiva neurossensorial pós-lingual, de grau severo e ou profundo, BILATERAL, quando preenchidos os seguintes critérios:
a) Resultado igual ou menor que 50% de reconhecimento de sentenças em conjunto aberto com uso de AASI na orelha a ser implantada
b) Adequação psicológica, motivação e expectativa adequada do paciente e da família para o uso do implante coclear e para o processo de reabilitação fonoaudiológica;
1.6. Em adultos que apresentem perda auditiva neurossensorial pré-lingual de grau severo e ou profundo UNILATERAL ou BILATERAL, quando preenchidos os seguintes critérios:
a) Resultado igual ou menor que 50% de reconhecimento de sentenças em conjunto aberto com uso de AASI na orelha a ser implantada, com percepção de fala diferente de zero em apresentação em conjunto fechado na situação binaural.
b) Presença de código linguístico estabelecido e adequadamente reabilitado pelo método oral;
c) Adequação psicológica e motivação adequada do paciente para o uso do implante coclear, e para o processo de reabilitação fonoaudiológica;
d) Nos casos de surdez bilateral é necessário o uso de AASI efetivo desde o diagnóstico da perda auditiva severa a profunda;
1.7. Em adultos que apresentem perda auditiva neurossensorial pós-lingual de grau severo ou profundo UNILATERAL ou BILATERAL, quando preenchidos os seguintes critérios:
a) Resultado igual ou menor que 50% de reconhecimento de sentenças em conjunto aberto com uso de AASI na orelha a ser implantada;
b) Adequação psicológica e motivação do paciente para o uso do implante coclear, e para o processo de reabilitação fonoaudiológica;

2. CRITÉRIOS ESPECIAIS

2.1.Espectro da Neuropatia Auditiva
2.1.1. Em crianças pré-linguais
a) Uso obrigatório de AASI por um tempo mínimo de 12 meses em prova terapêutica fonoaudiológica;
b) Nestes casos o desempenho nos testes de percepção auditiva da fala é soberano ao grau da perda auditiva;
c) Idade mínima de 30 meses para as perdas moderadas e 18 meses para as perdas severas a profunda. A idade mínima não é exigência nos casos com etiologia genética do espectro da neuropatia auditiva comprovada;
d) Os demais critérios de indicação do implante coclear seguem os constantes no item 1 de acordo com a faixa etária e época de instalação da surdez.
2.1.2. Em pacientes pós-linguais
a) Nestes casos o desempenho nos testes de percepção auditiva da fala é soberano ao grau da perda auditiva, ou seja, resultado igual ou menor que 50% de reconhecimento de sentenças em conjunto aberto com uso de AASI na orelha a ser implantada e inferior a 60% na melhor orelha, independentemente do grau de perda auditiva;
c) Os demais critérios de indicação do implante coclear seguem os constantes no item 1 de acordo com a faixa etária e época de instalação da surdez.
2.2. Cegueira associada a surdez
a) Quando paciente apresentar cegueira associada, independente da idade atual e época da instalação da surdez, o implante coclear está indicado quando o resultado de reconhecimento de sentenças em conjunto aberto com uso de AASI for igual ou menor que 50% na orelha a ser implantada;
b) Adequação psicológica e motivação do paciente para o uso do implante coclear, e para o processo de reabilitação fonoaudiológica;
c) Não se faz necessária preencher os demais requisitos do item 1 para cada faixa etária e época de instalação da surdez.
2.3. Implante coclear de estimulação eletroacústica.
Indicado em pacientes maiores de 18 anos de idade, com perda auditiva profunda em frequência agudas e preservação em frequências graves, de acordo com os seguintes critérios:
a) Limiares tonais menores ou iguais a 60 dB nas frequências de 250, 500 e 1000 Hz e limiares tonais maiores que 75 dB nas frequências de 2000, 3000 e 4000 Hz na orelha a ser implantada;
b) Reconhecimento de monossílabos com AASI entre 10% e 60% na orelha a ser implantada;
c) Reconhecimento de monossílabos com AASI menor que 80% na orelha contralateral;
d) GAP aéreo ósseo menor que 15 dB;
e) Perda da auditiva estável nos últimos 2 anos;
f) Etiologia diferente de otoesclerose, meningite, doença auto imune, mal formação e ossificação coclear:
g) Sem contra indicação para utilização de moldes auriculares:
h) Os demais critérios de indicação do implante coclear seguem os constantes no item 1 de acordo com a faixa etária e época de instalação da surdez.

3. CRITÉRIOS DE CONTRAINDICAÇÃO


Está contraindicado o Implante Coclear nos seguintes casos:
a) Surdez pré-lingual em adolescentes e adultos não reabilitados por método oral (exceto nos casos de cegueira associada);
b) Pacientes com agenesia coclear ou do nervo coclear BILATERAL;
c) Contraindicações clínicas.